News

Presidenta do INAMU fala da importância da SIM para o mercado argentino





Por Rafaela Piccin

A SIM São Paulo catalisa encontros: profissionais de diversas áreas do mercado comparecem ao evento, seja para fortalecer parcerias ou prospectar novos contatos. Pensando nisso, a série Humans of SIM traz histórias de pessoas que frequentam a feira e expandem seus horizontes e conexões. Este episódio é sobre Paula Rivera, vice-presidenta do INAMU (Instituto Nacional de la Música), na Argentina.

 

A grande diversidade de elementos das culturas nativas de cada país da América Latina faz com que seja raro entender a cultura latino americana como uma unidade. Por outro lado, as especificidades de cada região tornam propícias e necessárias a troca de informações e aprendizados entre si. Este é o caso do Brasil e da Argentina, que possuem rica produção artística e musical, entre outras características em comum.

Uma das parcerias mais frutíferas da SIM é com o Instituto Nacional de la Música (INAMU), organização sem fins lucrativos de fomento à música argentina. Criado em 2013 por músicos independentes, abrange todas as regiões e os mais diversos gêneros, e promove ações para melhorar as condições de produção, circulação e difusão de artistas no país. Sua vice-presidenta hoje é Paula Rivera, com mais de 15 anos de experiência em produção, management e gestão na música latino americana.

Ela vem à SIM desde a segunda edição, em 2014, e lembra que aqui encontrou um ponto de apoio para a circulação da música argentina: “Me deu a possibilidade de entender o mercado brasileiro por dentro. Vender música em espanhol para o Brasil é um grande desafio e a SIM está facilitando esse diálogo, estabelecendo um importante precedente para a inclusão da música em espanhol nos palcos brasileiros”. No ano seguinte, voltou à SIM com a artista YUSA, à época representada por sua agência, a PR Producciones: “Foi um impacto forte para nosso negócio. Melhoramos nosso posicionamento no mercado brasileiro e conseguimos duas contratações: um show na Virada Cultural de São Paulo e outro no Teatro Bradesco em Brasília”.

Frequentadora assídua de feiras de música, ela assessorou na criação de algumas delas, como FIMVEN (Venezuela), AM-PM (Cuba) e MIC-Altura (Bolívia). Para ela, as feiras se tornaram o espaço mais importante para a conexão dos profissionais que fazem parte da indústria musical. “Ser capaz de gerar uma agenda estratégica de feiras e mercados musicais no ano, participar ativamente de projetos e também estar presente para se deixar conhecer, conhecer seus colegas de profissão, entender o setor e suas mudanças permanentes, é um trabalho obrigatório”, comenta.

Paula é uma das mulheres-nós responsáveis pelo SatéliteLAT de Mulheres da Indústria Musical, iniciativa sem fins lucrativos criada no final de 2018 que visa promover equidade de gênero e representatividade feminina no mercado da música latino-americana.“Cada uma de nós, que compõem esse ‘satélite’, faz parte dessas indústrias há muitos anos e vive diferentes situações de assédio e desigualdade em um mercado dominado por homens há anos. Pretendemos desconstruir comportamentos que tornam o setor desigual para chegar a um futuro mais justo, equitativo e saudável para todos e todas. O projeto busca uma mudança cultural, algo que soa ‘utópico’, mas não é! É uma necessidade urgente e este é o momento perfeito para levá-la adiante”.

 

LEIA TAMBÉM:

COMO A SIM AJUDA A CONSTRUIR PONTES ENTRE BRASIL E ÁFRICA

MONTALVÃO COMENTA PAPEL DA SIM PARA INTERNACIONALIZAÇÃO

  • contato
PRODUÇÃO / PRODUCTION
INFO@SIMSAOPAULO.COM
ASSESSORIA DE IMPRENSA/PR
PRESS@SIMSAOPAULO.COM